O Estado de S. Paulo – Acervo Estadão

Conheça o acervo com todas as edições do jornal mais importante do País:páginas desde a primeira edição em 1875, personalidades e fatos históricos

Source: O Estado de S. Paulo – Acervo Estadão

 

 

https://acervo.estadao.com.br/pagina/#!/19950604-37118-nac-0203-cd2-d5-not/tela/fullscreen

 

Saber Não Ocupa Espaço!

Um dos trabalhos que mais me dá orgulho é a série “Saber não ocupa espaço”, concebida e apresentada pelo brilhante Miguel Falabella. Faço a pesquisa e os roteiros (texto). A arte divina é da Suppa. A direção é de Filipe Fratino e a equipe é sensacional.

Vou deixar aqui todos os episódios, para quem quiser assistir na sequência, aqui, do mais recente para o mais antigo. (Se quiser ver na ordem inversa, clique aqui)

37. PIMENTA E VOCÊ, DÁ MATCH?

36. A VIDA COMEÇA AOS 40?

35. DO QUE VOCÊ BRINCAVA NA INFÂNCIA?

34. AMIZADE É QUASE AMOR?




33. E A PELE, TA BOA?

32. LUTE COMO UMA GAROTA!


31. UMA DAS ESCRITORAS MAIS IMPORTANTES DO BRASIL

30. O que suas unhas dizem sobre sua saúde?

29. A origem da pontuação


28. A evolução dos talheres

27. O corredor Vasariano, uma obra singular!

27

26. Seu nariz sentre frio? Cuide bem do seu nariz!

25. O primeiro nerd do Brasil!

24. Como surgiu o adoçante?

23. Acordou de mau humor?

22. A emocionante história da primeira mulher a correr a maratona de Boston – Kathrine Switzer – porque Lugar de Mulher é Onde Ela quiser!

21. Por que usamos tanto açúcar?

20. A Nova Maturidade

19. Um abacaxi já foi mais caro que um carro zero?

18. Qual a alergia mais irritante?

17. Você é de lua?

16. A história da feijoada


15. O Mal do século


14. Lenço de Bolso


13. Amor e Sol

12. Esforço Homérico


11. Pedra de Rosetta


10. Riscar do Mapa

09. Espelho


08. Enxaqueca


07. Prazeres da mesa


06. Biquini


05. Baile da Ilha Fiscal


04. Lava Arroz


03. Diane de Poitiers


02. Tia Ciata

01. Monalisa

Saber Não Ocupa Espaço

Um dos trabalhos que mais me dá orgulho é a série “Saber não ocupa espaço”, concebida e apresentada pelo brilhante Miguel Falabella. Faço a pesquisa e os roteiros (texto). A arte divina é da Suppa. A direção é de Filipe Fratino e a equipe é sensacional.

Vou deixar aqui todos os episódios, para quem quiser assistir na sequência! É um melhor que o outro, sem falsa modéstia!!!

1. Monalisa – https://www.instagram.com/tv/CK4LmepBdpN/


2. Tia Ciata – https://www.instagram.com/tv/CLMkSC4hx5w/


3. Diane de Poitiers – https://www.instagram.com/tv/CLemSKNBZQ6/


4. Lava Arroz – https://www.instagram.com/tv/CLwnh_7hl9C/


5. Baile da Ilha Fiscal – https://www.instagram.com/tv/CMCozCqBsno/


6. Biquini – https://www.instagram.com/tv/CMUqE09BEv3/


7. Prazeres da mesa – https://www.instagram.com/tv/CMmvugGB0nq/


8. Enxaqueca – https://www.instagram.com/tv/CM4udMTB9AH/

9. Espelho – https://www.instagram.com/tv/CNKwI0snBH_/


10. Riscar do Mapa – https://www.instagram.com/tv/CNcwpdphJ-c/


11. Pedra de Rosetta – https://www.instagram.com/tv/CNuzUbsBEwS/

12. Esforço Homérico – https://www.instagram.com/tv/COA0braBtxf/


13. Amor e Sol – https://www.instagram.com/tv/COS2Sq2hYOQ/


14. Lenço de Bolso – https://www.instagram.com/tv/COk38mRhh2Z/


15. O Mal do século – https://www.instagram.com/tv/CO25hyEB1gs/

16. A história da feijoada https://www.instagram.com/p/CPI7MkgB2q-/

17. Você é de lua?https://www.instagram.com/tv/CPa_q-FhBz0/

18. Qual a alergia mais irritante?

19. Um abacaxi já foi mais caro que um carro zero?

20. A Nova Maturidade

21. Por que usamos tanto açúcar?

22. A emocionante história da primeira mulher a correr a maratona de Boston – Kathrine Switzer – porque Lugar de Mulher é Onde Ela quiser!

23. Acordou de mau humor?

24. Como surgiu o adoçante?

25. O primeiro nerd do Brasil!

26. Seu nariz sentre frio?
Cuide bem do seu nariz!

27. O corredor Vasariano, uma obra singular!

27

28. A evolução dos talheres

29. A origem da pontuação

30. O que suas unhas dizem sobre sua saúde?

31. UMA DAS ESCRITORAS MAIS IMPORTANTES DO BRASIL

32. LUTE COMO UMA GAROTA!

33. E A PELE, TÁ BOA?

34. AMIZADE É QUASE AMOR?

35. DO QUE VOCÊ BRINCAVA NA INFÂNCIA?

36. A VIDA COMEÇA AOS 40?

37. PIMENTA E VOCE, DA MATCH?

Passadão no Jornal – sala do Clubhouse – 24/03/2021

  1. Os bastidores da gravação do ‘pronunciamento’ de ontem do Presidente da República.
    No Twitter, o perfil @teledramaturgia legendou: Festim Diabólico 2021

“Segundo Bolsonaro 2021 é o ano da vacinação. Segundo @ibere 2021 será o ano da vacilação. “

Image

2. Da série “só li verdades”

Image

3. Mesmo quem votou 17 não aguenta mais.

4. Sobre o pronunciamento de Bolsonaro – “é possível contar um monte de mentiras dizendo apenas a verdade”

www.youtube.com/watch?v=bZaYeiptmd4

(comercial de 1987 premiado em 1988 – https://www1.folha.uol.com.br/folha/80anos/campanhas_publicitarias.shtml?aff_source=56d95533a8284936a374e3a6da3d7996)

17 DE MARÇO DE 2021 – QUARTA FEIRA

  1. Rejeição à gestão de Bolsonaro na pandemia chega a 54%
    https://www1.folha.uol.com.br/poder/2021/03/datafolha-rejeicao-a-bolsonaro-na-gestao-da-pandemia-bate-recorde-e-vai-a-54.shtml

2. Pedro Vieira comentou que ontem, pela primeira vez, num intervalo comercial do Big Brother, o Ministério da Saúde veiculou uma campanha de vacinação contra a Covid-19
https://twitter.com/oinemo_/status/1372179577355796490

16 de março de 2021
3a. feira



1.Bolsonaro diz que vai se vacinar– informa o jornalista Guilherme Amado em sua coluna na revista Época –https://twitter.com/guilherme_amado/status/1371808480290508800



2. MPT investiga Sérgio Camargo (Fundação Palmares) por assédio moral a funcionários (notícia comentada por Lu Luviero)


3. Dória promete ajudar a levar Bolsonaro a tribunais internacionais
Estadão.

4.Seimour – fala da campanha #TemGenteComFome – campanha nas redes sociais a partir do meio dia de hoje.

This image has an empty alt attribute; its file name is seimour.jpg

5. Começa hoje a versão híbrida (vivo/online) do festival #SXSW –

https://platform.twitter.com/widgets.js

_____________________________________________

15 de março de 2021

  1. Indicados ao Oscar https://g1.globo.com/pop-arte/cinema/oscar/2021/noticia/2021/03/15/oscar-2021-anuncia-indicados-da-premiacao-veja-lista.ghtml


    1. Recomendação – Netflix – “My Octopus Teacher “

a sala do Clubhouse que comenta as notícias do dia, todos os dias

04 de março

“Não é ficar paranoico, é estar alerta. Não é ficar alienado, é se reequilibrar pra sobreviver. Não é pra desistir, é pra se dar ao direito de fraquejar e pedir ajuda pra voltar pra luta.”

  1. Doomscrolling – o incessante scroll por notícias ruins que está nos afetando e como quebrar esse hábito
    Fonte: BBC

  2. Lei federal 8112 Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. (contribuição do Xando)
    A propósito da TAC que o ex-reitor da Universidade de Pelotas, o epidemiologista Pedro Hallal.

  3. Apelo de Lisca para a CBF – Seu desabafo

4. “Todos vão sofrer, mas não vão morrer”
(Dr. Gonzalo Vecina)

02 de março de 2021 – 3a, feira

5. Dias melhores virão…


  1. Livro recomendado por Mariana Kalil –
    O Brasil no espectro de uma guerra híbrida”
No photo description available.

O antropólogo Piero C. Leirner trata de um tema novo em sua obra, a assim chamada Guerra Híbrida, e o modo que ela está sendo realizada no Brasil.

Não se trata de uma “guerra clássica”, com fogo, mas de uma guerra que visa sobretudo a captura e neutralização de mentes. Suas “bombas” são antes de tudo informacionais, visam causar dissonâncias cognitivas e induzir as pessoas a vieses comportamentais: percepção, decisão e ação passam a trabalhar a favor de quem ataca. Seu objetivo último é o que se chama nas teorias desse tipo de guerra de uma “dominação de espectro total”. Essa ideia de “totalidade” está no âmago da Guerra Híbrida: não há mais a separação entre guerra e política, ou “tempo de guerra/tempo de paz”; todos passam a ser, voluntária ou involuntariamente, combatentes; e não se vê exatamente nem seu princípio, nem seu fim.

A hipótese central aqui levantada é que o Brasil foi, e é, um laboratório onde este modelo foi aplicado. O caso aqui estudado leva a um dos protagonistas principais desta forma de guerra e sua estratégia: um certo grupo de militares, operações psicológicas e o modo como isso se disseminou na política. O resultado, que vai muito além da eleição de 2018, é a dissonância generalizada que impera no Brasil hoje, que aqui segue um dos conceitos centrais da Guerra Híbrida – a cismogênese, ou seja, a criação de divisões sociais com o objetivo de impossibilidade qualquer pacto social.

********************************************************

2. Livro sugerido por Guilherme Ramanho
“A máquina do ódio”- Patrícia Campos Mello



A máquina do ódio: Notas de uma repórter sobre fake news e violência digital por [Patrícia Campos Mello]


O relato de uma das maiores jornalistas da atualidade sobre as ameaças à liberdade de imprensa no Brasil e no mundo.

Dias antes do segundo turno da eleição de 2018, Patrícia Campos Mello publicou a primeira de uma série de reportagens sobre o financiamento de disparos em massa no WhatsApp e em redes de disseminação de notícias falsas, na maior parte das vezes em benefício do então candidato Jair Bolsonaro. Desde então, a repórter tornou-se alvo de uma violenta campanha de difamação e intimidação estimulada pelo chamado gabinete do ódio e por suas milícias digitais. 
Em A máquina do ódio, Campos Mello discute de que forma as redes sociais vêm sendo manipuladas por líderes populistas e como as campanhas de difamação funcionam qual uma censura, agora terceirizada para exércitos de trolls patrióticos repercutidos por robôs no Twitter, Facebook, Instagram e WhatsApp — investidas que têm nas jornalistas mulheres suas vítimas preferenciais. Os bastidores de reportagens da jornalista e os ataques de que foi vítima servem de moldura para um quadro mais amplo sobre a liberdade de imprensa no Brasil e no mundo, numa prosa ao mesmo tempo pessoal e objetiva.
Campos Mello acompanhou a utilização crescente das redes sociais nas eleições internacionais que cobriu: nos Estados Unidos, em 2008, 2012 e 2016; na Índia, em 2014 e 2019. À experiência de observadora do avanço dos tecnopopulistas e seu “manual para acabar com a mídia crítica”, somou-se a de protagonista involuntária no front de uma guerra contra a verdade. Relato envolvente de um dos capítulos mais turbulentos de nossa história recente, A máquina do ódio é também um manifesto em defesa da informação. 

“Graças ao trabalho desbravador de algumas jornalistas, nós pudemos descobrir e entender como a internet contribuiu para propagar movimentos contrários à democracia. Dentre elas, destacam-se a indiana Rana Ayyub, a britânica Carole Cadwalladr e a brasileira Patrícia Campos Mello. É simples: se você quer entender os desafios atuais para a democracia no mundo, você precisa ler este livro.” — Jason Stanley, autor de Como funciona o fascismo 



********************************************************

  • Lista do dia 01 de março de 2021
  1. Golden Globe
    – lista de vencedores e comentários

    https://hugogloss.uol.com.br/premiacoes/globo-de-ouro-2021-premio-postumo-para-chadwick-boseman-emociona-the-crown-schitts-creek-e-nomadland-se-destacam-confira-a-l/


    2. Série de comédia recomendada:

    Schitt’s Creekhttps://www.omelete.com.br/emmy/schitts-creek-conheca-a-serie
    Onde ver: Amazon Prime

3. James Corden e Principe Harry

https://www.nbcnews.com/news/world/prince-harry-says-toxic-british-media-drove-him-meghan-royal-n1258922


4. Sites que gravam videos para fãs

Cameo – https://www.cameo.com/

Manda Salve – https://www.mandasalve.com.br/

5. Filme sugerido “Relatos de um mundo” – com Tom Hanks

Netflix – https://www.netflix.com/title/81210670


Sala do Clubhouse – A maior mentira do mundo

  1. Livro recomendado por Ronaldo Lemos – O problema dos 3 corpos
    https://www.amazon.com/dp/B01LFRFDI0/ref=dp-kindle-redirect?_encoding=UTF8&btkr=1

2. Paradoxo de Fermi – (versão simplificada para estudantes)

https://www.infoescola.com/astronomia/paradoxo-de-fermi/

3. Is time travel possible?
https://spaceplace.nasa.gov/time-travel/en/

4. Are we living in a simulation?

https://www.scientificamerican.com/article/do-we-live-in-a-simulation-chances-are-about-50-50/

5. O gato de Schroedinger
http://www.ifsc.usp.br/~strontium/Teaching/Material2018-2%20SFI5707%20MecanicaquanticaB/Monografia%20-%20Pedro%20-%20SchroedingerCat.pdf

6. Primeira temporada de Westworld – e a consciência
http://www.adorocinema.com/noticias/series/noticia-139449/

7. A maior mentira do mundo -> A muralha da china não pode ser vista do espaço
https://www.nasa.gov/vision/space/workinginspace/great_wall.html#:~:text=The%20Great%20Wall%20of%20China,other%20results%20of%20human%20activity.

8.

👉 Dia do conserto

Sábado passado precisei ir até o litoral. Fui com meu marido bem cedo, achando que não ía ter ninguém na estrada, já que era um final de semana que se seguia a um feriado prolongado, depois de seis meses de confinamento, que gerou aglomerações nas praias equivalentes a Carnaval e Ano Novo do antigo mundo pré-covid19.

Ledo engano.

O trajeto que costuma ser feito em duas horas e meia levou mais de quatro horas. Quatro horas para ir do centro da cidade de São Paulo ao litoral norte do Estado, dava pra ir pro Chile de avião e ainda usar o resto do tempo pra comer um pão de queijo no aeroporto, daqueles que custa um rim.

Chegamos, guardei as coisas, arrumei a casa e esperei a segunda leva da família chegar. Nem vou falar sobre o primeiro choque, quando fui até a praia para ver a situação e encontrei um planeta recém colonizado com negacionistas da pandemia e adeptos do fodassionismo. Não reconheci a praia que frequento há 27 anos, não reconheci a raça humana à qual pertenço. Voltei pra casa, fiz o lanche, jantamos, vimos alguma coisa na TV e fomos dormir. Na manhã seguinte, arrumei as coisas sem muito cuidado e disse aos que ficaram:

-Se eu esquecer qualquer coisa vocês levam!

E voltei para São Paulo. E aí começou o problema.

Eu realmente esqueci alguma coisa, a minha mochila, com todos os cabos, carregadores, fones de ouvido, material de corrida, relógio e todas as coisas que eu precisaria na segunda feira de manhã. Mas eu só me dei conta disso depois que a família toda já tinha subido pra São Paulo, em duas levas.

Entrei naquela série ‘Socorro, estou em pânico’. O primeiro episódio foi ‘Mas como eu fui esquecer a mochila?’. Resposta: porque nunca mais fui a mesma pessoa depois de ter Covid. Porque fico 70% do tempo com o ~cérebro boiando~, como se estivesse chapada. Porque por saber que minhas filhas sairiam mais tarde e fechariam a casa, não me preocupei em fazer a última ronda de coleta de coisas. Porque eu tinha um monte de coisas para carregar e, principalmente, porque eu falei ‘se eu esquecer alguma coisa vocês levam’.

E assim, como gancho para o segundo episódio, perguntei para as duas:

-Mas vocês VIRAM a mochila na cozinha?

E elas:

-Vimos, sim.

-E vocês não pensaram em TRAZER a mochila ou me perguntar por whats app o que era aquela mochila, de quem era aquela mochila? Recebi uns 4 whatsapp de vocês perguntando sobre um tupperware e nada sobre uma MOCHILA na cozinha?

Elas:

– A gente achou que a mochila ERA DA CASA.

Aí comecei a enlouquecer. Mais do que mochilas, esquecimentos, eu tenho esse problema com a LÓGICA, ou melhor, com a dificuldade de aceitar a falta da mesma.

Como assim ‘achei que a mochila era DA CASA?’ Sua casa tem mochila? A casa da sua mãe tem mochila? Que pensamento é esse, que conceito é esse ‘a mochila da casa’? Sim, porque, como bem SABEMOS, TODA CASA TEM SUA PROPRIA MOCHILA, PORTANTO, aquela só podia ser ‘a mochila daquela casa’.

Superei essa dor quando milha filha respondeu:

-Agora você quer culpar a gente pela mochila que você esqueceu.

Certíssima. Fui eu e meus restos de coronavírus que esquecemos. Elas poderiam ter visto AND trazido a mochila, mas, né, elas acharam que era da casa. Vai que elas subam pra São Paulo com a mochila da casa e a casa ficasse chateada com elas.

O próximo passo era fazer a mochila chegar a São Paulo, com correio em greve, sem serviço de nenhum tipo no pequeno vilarejo de Barra do Una em São Sebastião. E articular tudo isso num domingo à noite.

Foi aí que minha filha me deu a informação salvadora:

-Mãe, o filho da vizinha disse que os pais viriam para São Paulo amanhã, segunda-feira. Se você conseguir falar com ele, quem sabe ele possa trazer a mochila pra São Paulo, ai vocês acham um jeito de se encontrar.

Bingo. Perfeito. Faltava só saber quem era esse vizinho e como falar com ele.

A casa na praia fica num pequeno condomínio, são poucas casas, a cidadezinha é minúscula. O porteiro, que é novo e quase nunca está na portaria, não respondeu minhas mensagens e o plano A não rolou. Entrei em contato com a antiga faxineira que trabalhava no condomínio e expliquei o problema. Ela mora longe, disse que não teria como ir lá naquela momento. Plano B, descartado. Falei com a filha da faxineira, meu plano C, que começou a funcionar. Ela disse que conhece a familia do vizinho, que trabalha para eles de vez em quando. E, gentilmente, ela se prontificou a ir até o condomínio na manhã seguinte, falar com o porteiro, pegar a cópia da chave da minha casa, entrar na casa, pegar o mochila, entregar para o vizinho e passar meu contato para ele e o dele para mim.

Que anjo da guarda!!! Fiquei muito feliz com essa ajuda. Estava tudo certo. Era só esperar amanhecer. Assim, agradeci demais e passei as instruções:

-A Mochila é preta, estampada de Mickey Mouses coloridos e está na bancada da cozinha. Tem todos os cabos, carregadores dentro, um monte de coisas de corrida. Não tem como errar.

Foi aí que eu errei. Porque SEMPRE tem como dar errado, como afirma a Lei de Murphy.

Na segunda-feira à tarde, recebi uma mensagem por whats app dizendo:

-Tudo certo, mochila entregue!

Suspirei aliviada. A garota, que vou chamar de Sonia, me tranquilizou e passou, junto com essa mensagem, o contato do vizinho, a quem vou me referir como Pedro.

Falei com Pedro por whatsapp, ele me passou seu endereço e disse que chegaria tarde da noite. Combinei de ir na 3a. feira, na manhã seguinte, pegar a mochila na casa dele.

A casa dele fica a 45 minutos de carro da minha casa. Ida e volta, uma hora e meia de Uber. Mas, tudo bem, nem faria sentido reclamar da despesa, já que não tenho carro para buscar. Anotei o endereço e fui cuidar da vida e do trabalho. Aproveitei para marcar um horário numa assistência técnica da Apple para consertar um fone de ouvido da Beats, que parou de funcionar de um lado.

No final da tarde, pouco antes de viajar, Pedro me mandou uma mensagem.

-Estou saindo daqui a pouco. Queria só confirmar se está tudo certo. É isso mesmo que é para eu trazer?

E ele postou a foto de uma ALMOFADA.
Uma ALMOFADA da Foam, dessas que a gente usa para colocar embaixo do notebook.

Almofada e-foam

Sim, é preta e tem até uma alcinha de mão. Mas não é uma MOCHILA. Não tem MICKEY MOUSE colorido. Não tem alça para pendurar e não ABRE como uma mochila. Porque é uma ALMOFADA.

Respondi que não, não era a minha mochila de Mickey. E pedi que ele me ajudasse, entrando em contato com o porteiro, pegando a chave da casa com ele e indo até a cozinha pegar a mochila. Pedro fez tudo isso e mandou a foto da mochila certa:

Mochila de Mickey Mouse

Fiquei muito feliz que estava tudo, novamente, sob controle. E perguntei pra Sonia o que tinha acontecido para ela pegar a almofada e entregar pra Pedro.

E então ela disse que não tinha ido no condominio, nem tinha pegado ou entregue a mochila. Ela terceirizou a coisa. Mandou mensagem para o porteiro e pediu para que ele fizesse isso. E ai ele entrego a almofada.

Agradeci a Pedro por ter me salvado, usando a lógica e o raciocínio e Pedro me disse que foi a mulher dele que detectou o erro. Ela disse que aquilo não era uma mochila, que achou estranho eu mobilizar as pessoas para trazer uma almofada para São Paulo e que algo estava errado, porque não tem como colocar nada dentro!

Ontem, 3a feira, acordei, peguei um Uber, fui até a portaria da casa deles e peguei a mochila. De lá peguei o segundo Uber e fui para a assistência técnica da Apple. Esperei 45 minutos e, ao ser atendida, recebi a proposta mais absurda do mundo:

-Assim, a gente não conserta e esse seu fone saiu de linha. Mas se a senhora entregar o fone pra gente e pagar uma “diferença”, nos entregamos outro fone igual pra senhora.

-E de quanto é essa diferença que eu teria que pagar?
-Mil reais.

?!?!?!?#?$?#?%?%?$%?% MIL REAIS??

Peguei meu fone, minha mochila, o terceiro Uber, voltei pra casa, almocei e fui a pé até a Santa Ifigenia. Meia hora depois, entreguei o fone para um cara que consertou em 45 minutos e cobrou 18 reais.

Voltei para casa com meu fone funcionando, meu dinheiro economizado, minha mochila de Mickey me esperando. Tudo certo. Tomei um longo banho, corri atrás do prejuizo de tempo, fiz minhas coisas de trabalho.

No final da tarde mandei entregar trufas para Pedro e um buquê de flores do campo para a mulher dele. À noite, os dois mandaram áudio agradecendo, emocionados, com foto dos ‘mimos’. Fiquei emocionada também. A gente sempre tem como consertar as coisas. Demora, dá trabalho, precisa mobilizar pessoas, precisa contar com ajuda e boa vontade, precisa consertar os erros, precisa insistir e ter paciência pra dar tudo certo.

Da próxima vez, vou fazer como sempre fiz, dar uma “geral” na casa para não esquecer nada.

Maldito corona!



👉Olá, querido leitor

Cris Dias disse que os blogs estão voltando.

Li isso agora. Curiosamente, horas antes, fiz uma mini-bio para mandar para um contratante e coloquei ‘blogueira há 20 anos’. Sim, esse blog, que já foi do UOL, do blogger, da AOL, do r7 e do wordpress, vai completar VINTE ANOS EM DEZEMBRO.

Só isso já é motivo pra mantê-lo vivo.

The Fascist Underpinnings of Pro-Trump Media: An Interview With Author Jason Stanley | Southern Poverty Law Center

In his 2018 book How Fascism Works, Jason Stanley details how the propagandistic cult of personality surrounding President Trump is reminiscent of fascist movements from history.

Source: The Fascist Underpinnings of Pro-Trump Media: An Interview With Author Jason Stanley | Southern Poverty Law Center

VÍDEO: homem que humilhou entregador já se envolveu em confusão no condomínio

AMO que quando alguém faz merda, a gente já puxa logo a capivara toda.

 

 

Fantástico conta a história de dois jovens chamados Matheus e uma mesma cena de racismo. Esta semana, dois flagrantes viralizam na internet e provocaram indignação e revolta.

Source: VÍDEO: homem que humilhou entregador já se envolveu em confusão no condomínio | Fantástico | G1

#Twitter em Lockdown

Aparentemente todo mundo em lockdown, todo mundo com verified account

Twitter está tentando resolver, mas até agora, nadinha.  #Twitter

Por que vivemos na sociedade do cansaço, segundo este filósofo | Nexo Jornal

Dica do meu amigo Victor Camejo:

 

Para o coreano Byung-chul Han, a contemporaneidade é marcada por um excesso de positividade que culmina nas mais diversas patologias psicológicas

Source: Por que vivemos na sociedade do cansaço, segundo este filósofo | Nexo Jornal

Ser adulto é complicado

Tecnicamente, somos crianças até que nossos hormônios da pré adolescência comecem a apitar. O comportamento infantil pode durar muitos anos depois disso,  conheço pessoas que envelhecem e nunca amadurecem. Mas para o mundo, a infância termina depois de pouco mais de uma década e começa a adolescência. Em inglês, os números terminados em ‘een’, a partir do 13 de thirteen, definem os ‘teenagers’ até que a criatura que tem nineteen feche o ciclo ao chegar aos 20. E lá se foi a segunda década. Ou, para a lei brasileira, aos 18 anos quando todos atingem a maioridade.

Assim, grosso modo, temos 2 décadas de infância e adolescência e todas as outras de vida adulta. Todas. Se vivermos 100 anos, serão 80 anos de vida adulta, quatro vezes o tempo de sua infância e adolescência somadas. É muito tempo de muita responsabilidade.

A vida adulta traz momentos lindos, como ter seu próprio espaço, sua renda, ser dono do seu nariz, ter mais liberdade de ir, vir, sair, comprar, viajar, se relacionar. Junto com os bônus chegam todos aqueles ônus de responder perante a lei por todos os seus atos, ser eternamente perseguido pela burocracia, atacado por boletos, responsável por pessoas. Mas, principalmente, ser responsável por si mesmo.

É difícil. Temos que cuidar da própria saúde preventivamente. Somos cobrados para que cuidemos da nossa aparência constantemente. Devemos à sociedade um milhão de conquistas que englobam ter emprego, ter amigos, ter sucesso, agir de forma aceitável. Temos que preencher cadastros, fichas, planilhas, explicar pra polícia, pro governo, declarar os bens e pagar o imposto de renda,  manter os documentos em dia, pagar as multas, as dívidas, tudo.

Cansa. Dá vontade de sair correndo até cansar. Mas quando cansar, vamos ter que voltar pro lugar de onde viemos e fazer tudo de qualquer jeito. A vida adulta é complicada. E as duas únicas saídas para abrir mão de tudo são morrer ou enlouquecer completamente. E, mesmo assim, em ambos os casos você ainda deixa um mar de problemas pra quem fica. Porque alguém tem que fazer seu enterro, preencher os papéis, comprar seu lugar no cemitério, chamar pro velório e, em muitos casos, pagar os boletos que você deixou.

Coragem, adultos. Sorte, saúde, força e paciência, porque viver é complicado.

PS – Mas eu amo a vida!!!