Uãnuêi, quando os mestres improvisam

Graziella Moretto é o máximo. Perdi a conta do número de vezes que já ri com ela imitando a Palmirinha no YouTube. Ou me emocionei com algum de seus trabalhos no cinema, como em Cidade de D’us. Ou nos infantis da TV Cultura.

Pedro Cardoso é sensacional. Ator completo, concentrado, competente. Sou muito fã.

Se sempre fui fã de ambos isoladamente, imagine o que senti quando o Ricardo Grandi me convidou para ver a estreia de Uãnuêi, espetáculo de improviso feito pela dupla. Pois naquela noite eu tinha um compromisso lindo, participei da banca de TCC do querido Thássius Veloso, que passou com 10. Mas negociei minha ida ao teatro para hoje, domingo.

Voltamos de Águas de São Pedro, Isaac e eu, almoçamos e depois nos aprontamos para ir ao Teatro Renaissance.

Rica me avisou por DM que era às 18:30. Porém, como em todos os sites o horário para os domingos dizia 18:00 horas, fiquei na dúvida e cometi aquele erro básico de perguntar no Twitter.

No Twitter, você sabe. Quando você faz uma pergunta, séria, de verdade, precisando muito da resposta, o que você encontra é:

.pessoas perguntando por que você está fazendo aquela pergunta
.pessoas questionando a legitimidade da sua pergunta
.pessoas que acham que você não conhece o google
.pessoas que não levam em conta que se você pergunta é porque você está com informações conflitantes
.pessoas que tentam ajudar, mas caem nas mesmas dúvidas iniciais que levaram você a perguntar
.pessoas que querem ser engraçadas brincando com sua pergunta

e, felizmente, pessoas que realmente ajudam e fazem uma coisa incrível diante da pergunta que se chama… dão uma resposta! Obrigada, Victor!

Depois de algumas tentativas infrutíferas, também consegui falar com o teatro e o horário foi confirmado.

Fomos para o Renaissance, entrei na fila, peguei os ingressos, fui para o teatro. Grazi e Pedro já estavam sentados no palco, ele lendo e ela tricotando. Também estavam lá os dois incríveis músicos que improvisam as músicas e trilhas incidentais, ambos fantásticos.

O espetáculo começou bem. Com gargalhadas e sugestões da plateia. Lá pelas tantas, Pedro fez uma descoberta incrível e, no meio do improviso achou um gancho numa letra de música que fisgava certinho o tema trabalhado. Um achado! Na parte final, durante as perguntas, levantei a mão e fiz esse comentário. Ele contou que tanto quanto nós da plateia, ele também foi surpreendido pela coincidência.

Foi muito bom. Recomendo demais. O que vemos ali são atores consagrados, mestres do teatro, despidos de tudo, sem nada preparado especificamente, que saltam no vazio do abismo das possibilidades diante de nós, sem medo, sem pudor, sem limites. É lindo de ver tudo acontecer ali, de verdade.

Saímos felizes do teatro.
Recomendo muito o espetáculo.

Até dia 23 de dezembro, em São Paulo.
É só seguir o @uanuei

Anúncios