Santorini, que coisa!

Eu não sei o que eu fiz de certo na minha vida, nem porque eu mereço isso tudo. Só sei que estou no lugar mais lindo que já vi em toda a minha vida. Nada se compara a isso tudo.

Sim, eu sei que muita gente vai dizer que é preciso ter dinheiro para chegar até aqui e ficar hospedada num hotel bacana e tudo mais. Mas, olha, eu não acho que seja bem assim. Acho que é também uma questão de opção e de prioridade. Porque eu conheço muita gente que não tem casa, nem carro, nem propriedades, nem dinheiro guardado e viaja o mundo todo. Porque prioriza a viagem em relação a todo o resto. Tem gente que não tem um puto e está conhecendo o planeta nesse momento.

A viagem de Atenas pra Santorini foi um pouco tumultuada por causa de uma turma chata da segurança do raio X que implicou com tudo. Passou. Pegamos o avião e viemos bem. A famosa teoria dos jogos deu certo e viemos com os bancos do meio livres.

Chegamos ao minúsculo aeroporto de Santorini e pegamos um táxi para o hotel. O aeroporto é muito pequeno. Quando você acha que o avião passou a pista e vai pousar em outra ilha ele faz um curvona e para bem ali.

O hotel ficava meio longe do aeroporto, uma meia hora. de carro. Meus filhos iam olhando o caminho, a terra seca (não chove há cento e tantos dias e a previsão de chuva é só pra outubro) e comentavam que não parecia o paraiso que eu prometi. Passamos pelas encostas com lava branca, lava vermelha, lava preta. Sim, tem um vulcão aqui, o Calderas. E em 1956 SAntorini sofreu um terremoto que botou tudo no chão.

Enfim paramos o táxi e chegamos a Oia. NO hotel Atrina Houses.Fomos super bem recebidos pela Melanie e começamos a descer para nossa casa. E que casa, A Canava 1894, encrustada na pedra. Coisa mais linda do mundo.


A casa tem varanda, sala, dois quartos, cozinha. E tem uma pedra gigante na sala. Não dá pra descrever, só vendo mesmo. Nunca vi um banheiro como o nosso, impressionante. Acho que em todos os sentidos é o melhor lugar onde já me hospedei.

Alugamos um carro, deu um pouco de problema, mas no final deu tudo certo. Amanhã a gente pega o carro certo. Aproveitamos para dar uma volta até o bairro de Fira e fomos conhecer uma praia de pedras, com água transparente. A ilha tem l6 mil habitantes, 12 vilas e mais de cento e tantas igrejinhas. Produz vinho, vin santo, alcaparras, azeitonas. E vive de turismo. Vem gente do mundo todo pra cá.

Depois fomos pra piscina, tomamos banho e fomos caminhar pela vila em direção ao final da ilha, na ponta de cima, onde toda a moçada se junta pra ver o por de sol. Olha, realmente é algo indescritivel.

Fomos jantar num restaurante absolutamente sensacional, por acaso, chamado Terpsi. O garçon era muito gentil e a comida estava estupenta, com vinho branco e vin santo pra terminar. Foi demais.

Dá vontade de parar e perguntar por que eu nunca tinha vindo aqui antes, por que vou fazer 55 anos depois de amanhã ser jamais ter me dado essa oportunidade. Mas agora estou vivendo tudo isso e acho que nunca vou me esquecer desses dias.

Aqui eu so consigo desejar uma coisa: que todo mundo um dia possa vir aqui e ver tanta beleza, tanta maravilha e sentir essa energia que emana de um lugar tão especial.

Santorini. Que coisa.