Rosana Indica

Maratona Twitter traz o TweetGrid para você

http://www.r7.com/r7/service/video/playervideo.html?play=true&idMedia=f38f6a0d6791497c79064b1723f235b6&video=http%3A%2F%2Fwebcast.sambatech.com.br%2F000482%2Faccount%2F8%2F3%2Ff38f6a0d6791497c79064b1723f235b6%2FER7_PO_ROSANA_8_TWEET_GRID_452kbps_2011-03-06.mp4%3Fc593e66de0e460110dd967262e551f8e46fa359b8f2a93de9359377621aeca62b92f5cd1a61b314536cc5a478ba897411d7b4e9f6b84269698ff490bca02ebeb7936958552182d4d7d7da38c8b4803dd&linkCallback=http%3A%2F%2Fentretenimento.r7.com%2Fvideos%2Fmaratona-twitter-traz-o-tweetgrid-para-voce%2Fidmedia%2Ff38f6a0d6791497c79064b1723f235b6.html&thumbnail=http%3A%2F%2Fwebcast.sambatech.com.br%2F000482%2Faccount%2F8%2F3%2Fthumbnail%2Fmedia%2Ff38f6a0d6791497c79064b1723f235b6%2FER7_PO_ROSANA_8_TWEET_GRID_452kbps_2011-03-060.5101821161806583.jpg%3Fc593e66de0e460110dd9672728551f8e0b39f1fa8e06087f2309086b933f205a117ddcc71683b4a38657bc783cdbf5aa21fd24b9f80b79b34522fbe64a583cee9d25d0bf075e697a0365cfed00ada347c5ce33235ef59b616ba509a216a5dc99&idCategory=37

Anúncios

Dietas, regime e tudo mais

Acabei de comer uma bola de queijo de mozarela/muçarela de leite de búfala. Ok, duas bolinhas de mozarela/muçarela, uma pra cada forma de escrever, ambas aceitas na língua portuguesa atualmente. Adoro queijo na mesma medida que odeio a grafia muçarela. Não reconheço a mozarela com esse ‘u’ e não consigo digerir essa cedilha.

Também trouxe um pouco de mamão picado para comer mais tarde, no horário em que eu iria comer sopa de pacotinho, vilanizada por nove em cada dez queridos leitores por conta do excesso de sódio contido no pozinho.

Não posso dizer que estou de dieta, mas minha vida é uma eterna vigilância conflituosa contra meu peso. No momento, no pico da minha existência em quilos, estou sofrendo por não caber nas minhas roupas e sem fé na maioria dos métodos para emagrecer.

Hoje mesmo, na aula de Pilates, ouvi uma aluna dizendo que perdeu 13 quilos desde novembro. Quando um senhor perguntou o famoso ‘como conseguiu’ ela respondeu ‘endocrinologista e nutricionista’. ‘Garanto que ela está tomando remédio’, pensei, seguido da expressão mais recheada de inveja e autodesprezo do cosmo, a famosa ‘assim até eu’.

Fato é que eu conheço RAROS casos de pessoas que realmente emagrecem E ficam magras para SEMPRE, apenas na base da alimentação e exercícios SEM recorrer a NENHUM tipo de remédio. E olha que não é só remédio PARA emagrecer. Tem muita gente que toma remédio pra outras coisas pra aproveitar o efeito colateral que emagrece. Eu estou falando de viver sem tomar remédio, de emagrecer queimando calorias ou ingerindo menos calorias e de forma mais fracionada SEM remédio nenhum. Isso existe, mas é raro. O comum é tomar remédio E mentir. Que me perdoem as pessoas que tomam remédio e mentem, mas assim, até eu. Eu, essa pessoa orgulhosa que quer fazer as coisas por merecimento, que além de obter os resultados também quer discutir os métodos.

Sério, tomando remédio as pessoas emagrecem mesmo. Já tomei também. É fácil, sem esforço e rende elogios. Para quem tem facilidade com isso é o paraíso. Para mim é inaceitável. Primeiro que eu acho uma espécie de falta de ética aceitar elogios por coisas que você não fez, segundo que é uma forma sutil de autoenganar-se.

E aí tem as dietas da moda. Perigosíssimas. Acabei de ler que algumas podem causar osteoporose.

Claro que existem incontáveis exceções. As pessoas que precisam de cirurgia, por exemplo. Em alguns casos não adianta ficar na dietinha, a pessoa tem que radicalizar, fazer uma operação, especialmente quando o sobrepeso está num estágio em que a pessoa corre risco de ter uma coisa e morrer. É questão de urgência. O médico analisa e vê que não dá pra contar com uma perda lenta de peso ao longo de anos, ao preço de muito esforço e sofrimento. Cada caso é um caso.

No caso estou falando daquelas pessoas (homens e mulheres) que tomam remédio pra emagrecer, não ter apetite e depois creditam a magreza ao chá verde ou qualquer outra desculpa. Aí é sacanagem com os colegas do sobrepeso.

Porque mais importante do que ser magro é ser honesto. Pelo menos, no meu mundo.
Em tempo, foram 2 bolinha de muzarela.
A terceira foi de muçarela mesmo.

The Bobs, os nomeados. Vamos votar?

Primeiro o link do artigo, que está na página The Bobs da Deutsche Welle. Pode clicar que abre em nova janela. E, se você está com preguiça, pode dar uma olhada aqui mesmo, no screenshot. Eu espero.

Há um parágrafo especial que fala dos candidatos em português.

Agora, vamos votar. Vote com consciência. Quero parabenizar todos os brasileiros inscritos, todos os brasileiros indicados pelo júri internacional, que chegaram à seleta lista de finalistas.

Para votar, clique aqui  – http://thebobs.dw-world.de/en/nominations/

Vou para Bonn em abril, para a reunião final do Júri Internacional e, de Bonn, vou para Berlim, participar do Republika, como convidada de uma apresentação sobre redes sociais na America Latina.

Os outros, a mídia

Tem dias que eu fico com raiva da “mídia” como se ela fosse uma pessoa, um criatura. A mídia é uma entidade, regida por interesses de todos os lados. Embora envolva revistas, sites, rádios e tudo mais, a gente pensa na mídia como a “televisão” ou, no máximo, a mídia eletrônica. Mas a mídia é o conjunto de todos os meios de comunicação.

Esse conjunto tem o objetivo de lucrar, como toda empresa. Para obter lucro ela vende espaço. Para valorizar esse espaço ela precisa preenchê-lo com conteúdo interessante. E o conteúdo só se torna interessante na medida em que ele atrai muita, mas muita gente.

E como atrair uma grande massa, uma grande audiência? Falando de assuntos que consigam atingir o interesse de toda a população. E que tipo de assunto é compreendido por todos, sem distinção, sem pré-requisitos? Notícias reais, histórias dramáticas, humor escrachado, música de sucesso e, claro, famosos. Famosos, vida de famosos, as celebridades do momento, fofocas e tudo mais.

Tem dias que eu acho que a mídia é o reflexo de tudo de pior que temos em todos nós. Uma mãe preguiçosa e vaidosa que só pensa em si e dá pras crianças aquilo que as aquieta e não o que as educa. Em vez do brócolis que faz crescer com saúde, o salgadinho que mata mas faz calar a boca instantaneamente. Em vez da canção de ninar que acalma e acalanta, a música chiclete que distrai o coitadinho. Em vez de fazer justiça, faz média. E em vez de dar amor de verdade, dá brindes baratos e coloridos que não falam ao coração.

Hoje eu estou de bem com a vida.
E de mal com a mídia.