Olha o ano novo chegando aí, gente!

O Skype fez uma página muito simpática, onde as pessoas de todo o mundo compartilham vídeos da passagem de Ano. A linha mostra os lugares onde o Ano Novo já chegou…estamos na fila!!

Olha o link!

Anúncios

Romã

Ok, sementes de romã no Ano Novo. Na banca de frutas estão cobrando 15 reais por UMA romã. Achei um assalto. Em compensação eis ai um negócio promissor, plantar pés de romã pra vender no litoral no Reveillon.

Nadamos no mar, mas não atravessamos a baía. Mesmo assim valeu a tentativa,

Já deixo aqui meu Felz Ano Novo, feliz entrada de 2011!

Muita sorte no Ano Novo!

A Bradesco Seguros deveria patrocinar essa compilação de vídeos, porque é a síntese do “…e vai que…”. Impressionante a SORTE dessas pessoas que escaparam ‘por um triz’ da morte. Um vídeo que realmente nos faz pensar sobre o destino, a sorte e o provérbio “ninguém morre na véspera”.

PS – Aqui tem outro vídeo com o mesmo tema. Para pesquisar mais procure no YouTube por “cheating death”.

Zé povinho!

Untitled from rosana on Vimeo.

Não, não. Eu não estou chamando ninguém de Zé Povinho, ao contrário. Nós, meu marido, meu filho e principalmente eu fomos chamados de “Zé Povinho do cão”. Fomos andar de bicicleta e paramos numa bica (não é perigosa) na Jureia. Meu marido foi encher a garrafinha e eu liguei o celular pra gravar um vídeo do caminho.

Nisso, passou um casal também de bicicleta, talvez moradores locais. O rapaz gritou pra mim assim, um versinho fofo:

– ô zé povinho do cão! não tem mato em São Paulo, não?

Aumentando bem o som dá pra ouvir o rapaz dizendo exatamente isso.

Não, moço, não tem mato com bica assim lá no centro de São Paulo, não.

Há trinta anos…

Este vídeo do YouTube mostra a transmissão ao vivo, de Times Square, em Nova York, na passagem do ano de 1980 para 1981, ou seja, vinte anos atrás. Não! Trinta naos. Clomo assim trinta anos?! Céus, como o tempo passa…

Repare na repórter usando um casaco de pele, o que hoje seria inaceitável, por assim dizer.

Hoje, dá pra ver a passagem de ano em Times Square, ao vivo, pela EarthCam… Quanta mudança!

Esporte de férias

Não nadei hoje, como pretendo fazer nos outros dias. O mar estava agitado, de mau humor. Achei melhor respeitá-lo. Não fez sol, por isso, caminhamos um pouco e ficamos lendo na cadeira de praia.

Gosto de ler livros de papel, embora eu tenha alguns e-books no iPad. A vantagem do iPad é pode consultar o dicionário enquanto a gente lê. Ou seja, o iPad é ideal para ler em outras línguas, quando a consulta ao dicionário é mais frequente.

Estou lendo um livrinho sobre a Kabalá. Nas primeiras páginas já fiquei desconfiada do autor. Detesto quando um autor escreve uma bobagem, uma dessas crenças sem fundamento como a clássica “o ser humano só usa 10% do seu cérebro” e blá blá blá. Mentira sem fundamento, uma daquelas coisas tolas que “pegam” com o povo. Alguns princípios, porém, são bem claros e interessantes. Não dá pra explicar num post. Mas, se você quiser pesquisar, procure por Ein Sof e Pão da Vergonha, pra começar.

Trouxe outros livros para ler nas férias, alguns já começados, outros já lidos pare serem relidos. E também um livro em francês, literatura infanto-juvenil, porque considero meu francês assim, num estágio infantilizado.

Além de ler, também pedalamos. Ontem foram 15 quilômetros, hoje 20. Estou sofrendo. O selim, mesmo com estofamento e aquele silicone para amortecer, machuca. Meu joelho direito me incomoda depois de um bom tempo de pedaladas. Aprendi a andar de bicicleta tardiamente e, por isso mesmo, sou ruim na coisa. Tenho medo, não consigo me sentir parte integrante da bicicleta. Os passeios são legais mas eu não fico zen. Ao contrário. Na volta pela rodovia Rio Santos fico sempre apreensiva, o que é um eufemismo para apavorada. Como sempre, volto reclamando, chegou estourada, mas sobrevivo.

Cheguei agora há pouco e fui para o único programa local, ir ao supermercado. Hoje teve uma variante, fomos à farmácia também. Olha eu, toda moderninha, inovando nos programas em Barra do Una…

A parte boa é que não tuitei, praticamente. Estou conseguindo ficar menos tempo online. Duro vai ser a hora que eu abrir meu email, daqui a pouco. Acho que vou colocar um comunicado de férias, avisando que não vou responder nada.

É o que farei.

E agora, com os pés para cima, laptop em seu lugar original, meu colo, e um pote de coalhada com mel já devorado, despeço-me. Até o próximo post.

y