Sem diagnóstico

Hoje foi um dia pesado. Nikky teve 12 convulsões ontem, passoua madrugada sofrendo, teve outras seis hoje. Foi uma dor interminável. Eu acordei às 5 pra dar comida pra ela, assim ela poderia fazer jejum de 6 horas para o exame que faria. Fui dar aula, saí um pouco mais cedo, corri pra casa, peguei meu filho e a Nikky. Ela teve uma convulsão no carro, outra na porta da clínica e uma na saída. E o pior. Depois de esperar tanto por esse exame, a atendente disse que houve um engano e a pessoa que faz não estava. Pirei. Chorei, tive um ataque. Eu estou esgarçada de ver o sofrimento da bichinha. LIguei pra Dra. Janaína, ela leu o resultado do hemograma. Nikky não está bem. Voltei para casa, ela teve outras duas convulsões assim que comeu. Fui para a clínica e internei-a. Isso não é vida pra ela. Ela não tem meia hora de consciência, meia hora pra brincar, pra ser filhote e feliz. Ela só chora, sofre, fica se batendo, sem consciência, range os dentes, uiva, tem ataques que deixam o corpinho todo dolorido.

Se for Shunt, ela terá que fazer uma cirurgia delicadíssima, que desvia uma veia do coração. A cirurgia é de altíssimo risco.

Ainda não descartamos todas as possibilidades, mas a médica da clínica disse que ela precisa se reequilibrar. Foi sedada e medicada novamente. Me dó pensar que ela vai voltar dos ataques e não ver ninguém conhecido por perto.

Mas o que dói mais é vê-la sofrer. E ouvir da boca da média a palavra possível: eutanásia.

Eu não quero pensar. Eu preciso dormir, eu tenho que trabalhar, eu preciso cuidar dos meus filhos, do meu marido, da casa, preciso preparar aulas. Eu preciso estar inteira pra cuidar da Nikky. E, no momento, sem dormir, estressada, eu estou só cacos.

Ganhei o melhor abraço da Fernanda, minha amiga aqui do R7. Carinho da Aline e muito amor com bananinha sem açúcar da Lelê. E o alto astral da Amanda a meu lado. E o apoio de todos os queridos leitores. Isso não resolve o problema, mas consola.

Obrigada.

Google Street View

A alegria do dia: ver a casa da gente no Google Street View.( Leia mais sobre o Google Street view aqui Já achei o prédio onde moro, a casa em Vila Galvão onde eu morava quando menina. Já passeei pelo bairro e agora estou vendo coisas estranhas e outros flagrantes.

Soube agora pelo Beto Toledo que clicando com o botão direito você pode ver tudo em 3D. Basta ter aquele óculos adequado.

Aqui, uma pequena seleção:

1. Morador de Rua em São Paulo

2. Homem-Mola (ou Homem pantográfico)

3.Mulher lavando calçada

Mande a sua colaboração.

4. Acabei de saber, por exemplo, via @JuPeriscinotto que o @victormcirone fez um tumblr colaborativo, o http://streetviu.tumblr.com/

5. Travesti mostrando os peitos-Travesti mostrando os peitos pro carro do Google:
– via

6. Por sua conta e risco – Cadáver decapitado no Rio de Janeiro, juro. (via @diegomaia via @ap). Aliás, o @diegomaia acabou de achar outro cadáver em BH- http://bit.ly/bkRUvP (via @ivanpx)

7. Apagaram o ‘rosto’ da boneca do cardápio do restaurante do @rodrigo_nha – Veja uma moça triste na calçada também. – Neste link

8. “Os melhores sites que reunem os melhores flagras do Google Street View Brasil:  http://ow.ly/2MyJB (via @biagranja) –  via @juniorancoleta

Notícias da manhã

Não dormi direito e levantei muito cedo, cinco da manhã. Estou moída, mas vou sair agora pra dar aula e, em seguida, vou levar a Nikky pra fazer exames. Ela teve oito convulsões ontem, mais quatro entre a madrugada e agora. Está difícil pra todo mundo aqui em casa. Com o coração partido e o corpo dolorido, vamos tocando a vida.

Li as principais manchetes de política, passei os olhos pelas notícias mais lidas do R7, espiei as novidades de  A Fazenda. Não tuitei, só li algumas mensagens. É, milagre mesmo.

O email é uma tristeza. Quase mil mensagens acumuladas, mal consigo limpar as que chegam. É muito spam, muito email coletivo, gente que ainda não entendeu pra que serve o correio eletrônico e tenta garimpar uma vaga de cômico stand-up repassando piadinhas em corpo 48. Dá vontade de explicar que o tamanho da fonte e a dúzia de pontos de exclamação não vão tornar um texto ruim em engraçado.

A impressão que tenho é que o mundo emburreceu, as pessoas perderam a noção, uma boa parte ficou agressiva e intolerante. E o pior, muitas vezes, somos nós que entramos e saímos dessas categorias. No fundo acho que tudo sempre foi assim, só que agora a gente se socializa mais com as pessoas pela web. Sem contar que eu estou envelhecendo e ficando ainda mais exigente.

E é assim, sem uma grande mensagem de apoio, mas com muita esperança de que a Nikky melhore, e a certeza de que estamos fazendo tudo o que podemos que me despeço pra dar aulas.

Até a volta.

Lenda das bonequinhas

Eu sei que já falei delas no querido Leitor, mas foi há muito tempo.
Se você não conhece, clique aqui para ver o vídeo e ler o texto da Lenda das Bonequinhas Vietnamitas.

Apresentadora anuncia a vencedora errada ao vivo, no final de Reality Show

Recebi do meu amigo Edge:

“oi Rosana, tudo bem?
olha essa noticia. Ontem na final do programa ‘Australian Next Top Model’ a apresentadora Sarah Murdoch errou o anuncio da ganhadora.
nao da pra esconder ou disfarcar quando o programa eh ao vivo 🙂
http://www.youtube.com/watch?v=PKb0BR-giCA&feature=player_embedded”
Realmente,…..estragou tudo! É tão louco que faz a gente quase pensar que foi de propósito. Mas não faria sentido. Foi um erro incrível.

Celular e, digamos,uma foto da inveja

Não sei se é uma característica do povo brasileiro, das redes sociais, das pessoas que eu leio, mas tenho sempre a sensação de que “inveja” é o genérico pra explicar qualquer coisa ruim ou desagradável, como críticas, desavenças, ofensas ou meros comentários. A pessoa não sabe distinguir nuances de comportamento e já manda “é inveja”.

Mas a inveja existe e, de tão básica e primitiva, afeta todo mundo. A minha inveja tem um jeito próprio. Raramente tenho inveja de coisas, objetos, posses. Eu jamais teria inveja porque alguém tem um barco ou uma ilha, mas fico indignada quando alguém tem algo muito bacana e não sabe usar, digamos uma pessoa que tem uma Ferrari e não sabe dirigir. Ou alguém que tenha herdado uma biblioteca e não lê.

Tenho um iPhone 4 no momento, não é um objeto de ostentação, é só mais um telefone, mas tem gente que fica com inveja porque queria ter um. Normal. Só que eu descobri esta semana que eu caí na minha própria categoria de “gente que tem e não sabe usar”. Acredita que eu não sabia fechar os programas que vão ficando abertos toda vez que você os usa? Foi o Diego Maia que me ensinou. Você clica duas vezes no botão principal

Audiência e paciência

Uploaded with ImageShack.us
A audiência da estreia da Fazenda foi ótima. Ficou em primeiro lugar. O streaming está incrível, no iMac a qualidade da imagem é muito boa.Se você já tiver um email do R7 é só logar e assistir aqui: http://afazenda.r7.com/a-fazenda-3/assista-ao-vivo/ Se você não tem, abra um email e assista. Peguei esse screenshot agora há pouco, no café da manhã. Nesse momento a zootecnista está explicando os procedimentos para cuidar dos animais.

Agora vem a parte da paciência, a minha, em cuidar da minha pequena Nikky. É triste, por ela e por mim. É como se ela não soubesse quem somos, nem onde está. Ela repete alguns gestos de sempre, parece a mesma Nikky em alguns momentos, mas não quer ser carregada no colo, ameaça morder. Teve uma leve convulsão hoje cedo. Mas vamos continuar observando para ver como lidar com isso até descobrirmos a causa.

Agradeço demais a todo mundo que está me ajudando com sugestões e apoio. E para a pessoa que não entrava aqui há tempos e entrou pra xingar o blog, bem, julgar o todo por uma parte é um erro muito comum que todos cometemos. C’est la vie!

Avante!

PS – Eu, a rainha do sono, não dormi nada esta noite. Pesadelos e pensamentos ruins. Chô baixo astral. Pronto, espantei.

Aqui uma foto que tirei ontem, quando ela ainda estava sedada e deixou-se abraçar.

Coração na mão

Estou aqui, vendo A Fazenda e fazendo este post, depois de um dia longo, com alguns momentos de tensão. Chegar a Santos foi complicado hoje. Você deve ter acompanhado as notícias sobre os acidentes na Via Anchieta, pista que ficou totalmente bloqueada durante 7 horas. Descemos pela Imigrantes, com comboio, por causa da forte neblina. Saí de casa às 13:15h e cheguei em Santos às 15:45h. Foram duas horas e meia para 84 km. Na volta, neblina e todos os caminhões na Imigrantes, já que a Anchieta estava fechada.

Mas isso não foi nada. Duro é o que está acontecendo agora com a Nikky. Ela já teve duas convulsões desde que voltei. Fica totalmente fora de si, não nos reconhece, fica ausente. Até agora ela não me reconheceu de verdade, quase não interage. Me mordeu quando tentei pegá-la no colo. É complicado e doloroso. Em um momento apenas tive a impressão que ela me reconheceu. No resto do tempo, ela fica agitada, sem entender nada, como se fosse seu primeiro dia em casa. Tenho medo que ela se machuque, tenho medo que ela nos machuque. Tenho medo que não tenha cura. Dei todos os remédios, liguei para a clínica, mas não há o que fazer. É como se ela perdesse a consciência de tudo. Em alguns momentos ela repete alguma coisa familiar, como ficar em pé no sofazinho do escritório. Mas olha através da gente.

O exame específico para tentar fechar um diagnóstico, só vai acontecer no dia 11 de outubro. Estou com medo do que possa acontecer. Mas vou ser firme, vou encarar o problema.

Aqui estou eu, cansada, me distraindo com os fazendeiros, enquanto compartilho com você mais esse pedaço da vida.

Ah, e só pra fofocar levemente, a Luciana Gimenez só pode estar grávida…pelo menos, pela roupa que eu vi hoje na TV, está.

Beijos.
Obrigada,

Rosana

A Fazenda, dia de estreia

No ano passado, quando a Fazenda estreou, eu fiquei o tempo todo tuitando que estava chovendo em Itu. Era uma encheção de saco com o apresentador Britto Jr., que parecia repetir essa frase sem parar, talvez por estar indignado com a intensidade da chuva. No momento não sei se chove muito em Itu, mas a frase virou uma brincadeira tão gostosa quanto pisar em poças de água. Ao que tudo indica vai chover esta noite novamente.

Mas com ou sem chuva, a expectativa é muito grande. E a pergunta é…quem são os 15 participantes? O diretor Rodrigo Carelli deu uma entrevista e adiantou algumas dicas. Você pode ver aqui neste vídeo.

Hoje à noite vai ter muita gente dizendo que acertou, que já sabia, que adivinhou.

E você? Já tem seu palpite?

Vamos todos assistir hoje à noite, juntos.
Ao que tudo indica, de guarda-chuva. 🙂

PS – Fiquei muito feliz quando soube que a Fazenda poderá ser acompanhada ao vivo, em streaming, pelo R7, de graça. Basta você entrar no r7.com e cadastrar um email, que também é gratuito. E o @celebritto , o galinho da Fazenda já tem twitter, é só seguir. Fofo.

Até mais tarde. Olha o perfil do @celebritto :

Ser adulto

Ser adulto, agir como adulto é encarar os problemas aceitando que eles são reais. Reais. Por mais que a gente imagine que as coisas vão sumir, ou que vamos acordar e tudo não terá passado de um pesadelo, isso não vai acontecer. Eles vão continuar ali. Ou vão piorar com o tempo. Algumas coisas, é verdade, passam sozinhas. São exceções. Em geral, as doenças se agravam, os afazeres não feitos geram novos problemas, as contas que não foram pagas terão multas e tudo mais.

Assim, acordei cedo, sentindo que a pinçada nas costas podia deflagrar o horrível travamento que tive no sábado (olha a reclamação de “véia”…) e fui para a aula de Pilates. Avisei o professor que eu não estava apta a fazer a aula normal e ele, o Gustavo, gentilmente deu uma aula personal, no Cadillac, com pernas suspensas, muito alongamento e conscientização.

Pra quem nunca viu o “Cadillac”:

Em geral, nesse momento, aquele tio que sempre pergunta se o pavê “é pá vê ou pá cumê”, o mesmo que “passa perfume pra tirar foto”, olha pro Cadillac e pergunta se é uma cama ou um instrumento de tortura. Tortura, pra mim, é aguentar chatos que se acham engraçados repetindo piadinhas bobas, o Cadillac é muito confortável e eficiente.

Depois do Pilates fui ao banco, comprei provisões pra viagem a Santos e finalmente cheguei em casa. Conversei com o Ronaldo que estava aqui recuperando meu PC e, enquanto os arquivos eram instalados, tomei banho e me arrumei.

No rádio, bad news: a via Anchieta tem 3 acidentes graves e o trânsito foi desviado para a Imigrantes, por onde irei. E mais, por causa da chuva e da neblina a Imigrantes está com operação comboio. Ou seja, conto com ajuda do universo e mais a margem de segurança de horário que reservei pra mim.

Já falei várias vezes com a clínica veterinária e, se tudo der certo, Nikky volta hoje pra casa, mesmo que seja só por um período, pra se desestressar da internação, que deixa o animal muito inseguro e com medo. Corta o coração só de pensar.

Não sei se algum querido leitor de Santos vai ao SESC, pra ver a palestra do TEDxSantos, do qual participarei, mas se alguém estiver inscrito, fica aqui meu ‘até já’. E o link pra quem quiser visitar.

O dia de hoje

A segunda-feira está acabando. Eu ainda vou longe com meus compromissos.
Meu dia começa com o despertador tocando às 6:00h, que é quando minha filha precisa acordar pra ir à escola.
Logo cedo, depois do café, me preparei para visitar a Nikky na clínica onde ela está internada.

De lá fui direto para o dentista, tratei um dente que estava me incomodando, agendei outra visita e encontrei um querido amigo, Rafael Moreno. Conversamos e depois, de lá, fui correndo para o trabalho.

Trabalhei, fiz reuniões e, nesse meio termo, devo ter falado umas dez vezes com a clínica veterinária, em busca de soluções pra Nikky. Resolvi problemas domésticos, recebi ligações de todos os tipos, respondi emails. Enfim, foi um dia de trabalho incessante. Comi uma sopa apenas, já que eu não podia mastigar.

Como eu não podia sair do trabalho, acabei pedindo pra Meire pegar a Nikky da clínica, levá-la a um neurologista e em seguida, devolvê-la para a internação. Complicado fazer tudo isso remotamente. Mas deu certo.

Do trabalho fui direto para a clínica. Chovia absurdamente. Parei longe, fui caminhando até lá. Encontrei Nikky muito sedada, já que ela teve uma convulsão às 4 da tarde. Mesmo dormindo, tenho certeza que ela sentiu meu amor, minha presença, porque minhas palavras de carinho a acalmaram. Já eram dez da noite e o estacionamento ia fechar as portas. Sai de lá, fui pegar o carro numa chuva louca.

No caminho, liguei pra casa. Minha filha precisava de algo urgente e eu corri direto pro shopping pra ajudá-la. Saí de lá muito tarde e ainda tive sorte de encontrar algumas lojas abertas.

Finalmente cheguei em casa, me troquei. E sabe o que eu fiz, depois de dar um beijo na família? Fui pagar as pilhas de contas na minha mesa, começando com um cheque pra ser descontado amanhã, pra fazer as compras da casa. E aí foi, telefone, cartão de crédito, escola, doações, estacionamento do carro, etc., etc., etc. Agora terminei de pagar tudo. Estou me sentindo orgulhosa de mim mesma. Só que eu tenho que ensaiar a apresentação de amanhã no TEDxSantos.

Esqueci de dizer, mas como não sei chegar lá, contratei um serviço pra me levar até Santos amanhã, com o mesmo motorista que me levou para a palestra que fiz no Guarujá.

Sei que uma coisa não tem a ver com a outra, mas fiquei pensando que agora que fiz tudo direitinho, o universo poderia devolver a Nikky pra mim. Eu queria tanto ter minha cachorrinha de volta. Cheguei a pedir pra Lilly, que já passou pro outro plano, pra nos ajudar.

Quase comecei a chorar, mas não posso. Tenho que segurar as pontas para que nada desmorone. Então, aqui estou eu, firme e forte, exausta e do avesso, dando graças a D`us por ter saúde, lucidez, trabalho e dinheiro pra pagar tanta coisa.

Se eu não agradeci o suficiente, fica aqui o meu muito obrigada a tudo, a todos, a você.

Beijos,

até já.

Nikky, ainda internada

Nikky, antes de ser internada no Domingo, na antessala da clínica.

Ai, que dor no coração. Não é o desespero que um pai e uma mãe sentem quando seus filhos estão doentes. Mesmo porque nem dá pra descrever o que sentem os pais quando seus bebês precisam de ajuda médica, muito menos os que dependem de hospitais públicos. Mas ver um bichinho indefeso doente é sempre triste. Sei que ela está sob cuidados especializados e tudo, mas estou preocupada. Ela vai passar por uma avaliação neurológica. É possível que ela tenha alguma coisa como epilepsia, não sei. Só sei que estou aqui apreensiva, mas torcendo pelo melhor.

Sem um diagnóstico ainda, fico sonhando com o Dr. House veterinário, que ligue todos os pontos e  decifre o enigma. Diagnóstico é tudo. Sem ele, a gente só fica tratando os sintomas em vez de tratar a doença.

😦

Encurtadores e links confiáveis

Acabei de conhecer um site muito interessante, o http://knowurl.com/ . Vi no Twitter e dei um Retweet no @redeseblogger para compartilhar com todos. Veja como ele funciona.

Digamos que você recebeu um link encurtado, por exemplo, http://t.co/YAEBrdL Você olha e repara que ele foi encurtado pelo Twitter, pelo encurtador t.co . Mesmo assim você não tem certeza do link original para o qual ele aponta. Digamos que você quer ter mais segurança e quer saber para onde ele leva.

Você entra no KnowUrl e cola o link lá. Ele mostra o link original antes de ser encurtado que, no caso, aponta para um post do Querido Leitor que eu mesma encurtei pelo botão do Twitter:

Você ainda pode clicar em Virus Scan Link pra ter certeza que o link original não contém nenhum vírus. Ou seja, é um site MUITO útil, ainda mais em tempos de redes sociais, onde tantos vírus tem sido espalhados.

Depois desse Retweet, outro usuário, o @lucasdms avisou que no caso dos links encurtados pelo http://bit.ly, basta você adicionar um + no final do endereço para conhecer o link original. E o @isenna disse que o mesmo ocorre com o http://migre.me

Fiquei feliz em aprender e espero ter sido útil ao repassar. 🙂

1 ano de R7 :) Obrigada, querido leitor

Hoje o R7 completa um ano de existência. E, como o Querido Leitor estreou com ele, estamos completando um ano de casa. 🙂 Digo estamos porque o blog é feito por todos nós e é de toda a comunidade de queridos leitores. (Para quem notou, hoje também é aniversário do Google.)

Estamos comemorando de várias formas. A primeira chegou agora há pouco: cada colaborador ganhou um pedaço do melhor bolo de chocolate do mundo, embalado individualmente e já entregue com guardanapo e garfinho. Oba. Depois do almoço, sobremesa. (O almoço vai ser uma sopinha, já que o dentista avisou que não é pra mastigar nas próximas horas).

Outro presente pra você é a página comemorativa de 1 ano, com uma retrospectiva dia a dia, em forma de notícias de destaque. Muito legal, pode clicar que abrirá outra janela. Eu espero.

Além disso, você encontra os melhores pacotes de ‘sete presentes’, de todas as editorias, desde “os sete fatos que marcaram o Brasil”, até “as sete brigas dos famosos”, passando pelos ‘sete barracos do esporte’. TemMUITA coisa boa e é uma pré-retrospectiva do ano de 2010. Dá pra ter uma boa visão do que está sendo este ano.

E, claro, deixamos as batatinhas pro final: em comemoração ao primeiro ano do R7, a partir de amanhã todo mundo poderá assistir o reality show A Fazenda, que começa sua terceira edição amanhã, de graça, pelo r7.com, bastando para isso ter um email do R7, que também é gratuito. Mais nada. É uma forma nova e democrática de permitir que qualquer cidadão que tenha um email do R7 possa acompanhar o programa online, sem ter que contratar qualquer tipo de serviço pago.

Se você participou desse primeiro ano, você pode comemorar junto com todo mundo, usando a tag #1anodeR7 no Twitter. É uma forma de aplaudir sinceramente uma equipe incrível que trabalha sem parar para levar o melhor a você.

Ah, sim, já ia quase esquecendo: aqui está o primeiro post do Querido Leitor, de um total de 1.741. Muitos outros virão!

Bom dia e até já

Estou de saída. Já li o R7, acompanhei a repercussão do debate de ontem, vi minha caixa de emails. Tomei banho e café, não necessariamente nesta ordem.

Me PC perdeu os sentidos, preciso chamar um técnico com urgência.

Logo mais tenho dentista, estou com um incômodo gigantesco em um dente superior.

Mas o mais urgente é que vou agora na clínica visitar a Nikky.

Só passei pelo blog pra avisar isso. Nikky é a minha prioridade no momento.

Depois eu conto como ela está.

Na torcida,

um beijo, bom dia,

da

Rosana

Show e boletim

Adorei o show do America e Chicago. Cantei todas do America, quase todas do Chicago. O show foi muito bom. Vi o debate da Record durante o intervalo e no caminho pra casa. Muito bom.

Liguei pra clínica e soube que Nikky ainda está em observação, mas não teve nenhuma outra convulsão. Ainda não há um diagnóstico certo, pode ser cinomose, hemoparasitose, não sei. Amanhã ela vai fazer outro hemograma. A boa notícia é que ela estava bem.

Vai ser difícil dormir agora. Ontem, dormi com ela ao meu lado.
Mas vou torcer pra que ela esteja bem e volta em casa amanhã.

Obrigada.

Domingo

Minha preocupação passou, aquela angústia, o medo. A sensação de ir de novo para a clínica onde Lilly morreu, com Nikky no colo, estava me desesperando. Felizmente o Dr. Ricardo matou uma parte da charada. Embora o hemograma não seja tão bom, o grande problema é que ela está trocando os dentes. E de uma forma muito incômoda. Os dentes definitivos estão empurrando os dentes de leite, ela fica sem oclusão, o dente começa a amolecer e ela começa a fazer movimentos intensos e estranhos com a boca, como que querendo se livrar do dente, baba e acaba parecendo uma leve convulsão.

Ontem, porém, na 2a. visita à emergência, uma da manhã, Dr. Ricardo foi examiná-la e tirou um dente da boca da Nikky. De ontem pra hoje, ela já teve outras crises iguais e eu tirei três dentes moles. Cada vez que dá uma dessas crises, ela fica muito estressada. Depois eu tiro o dente, ela tenta comer um pouco. Acho que vou ter que levá-la de novo para tirar esses dentes de leite que estão incomodando. Nunca passei por isso antes. O veterinário disse que, em geral, o cachorro engole o dente, ou ele cai e ninguém vê.

Só sei que estamos todos tensos, especialmente eu.

Mas agora que já sei que não é risco de morte, estou melhor.

Hoje à noite vou ver o show de 40 anos deo America e Chicago no Ibirapuera.

Voltar aos velhos tempos.E relaxar um pouco.

Update – a coisa é mais séria. Nikky ficou internada na UTI veterinária. Convulsões. Sérias. Ah, D’us, tá em Suas Mãos.

Cuidados

Nikky teve duas pequenas convulsões. Uma ontem, outra hoje. Não chegou a ser uma coisa grave, mas corri para o veterinário com ela e ela já está sendo medicada, tomando Gardenal e outros remédios. Ela tomou todas as vacinas, inclusive contra cinomose, mas estou preocupada mesmo assim. Ela está com um pouco de febre e estressada pela primeira coleta de sangue. Mas dessa vez minha intuição diz que não vai ser nada grave. De qualquer forma, estamos todos atentos.

Acho que vou levá-la comigo ao restaurante. Hoje é aniversário da minha filha e vamos jantar fora. Estou com medo de deixar a cachorrinha sozinha. Vamos ver, se ela melhorar até mais tarde, ela fica em casa. Senão, vai com a gente.

Minha dor nas costas melhorou, felizmente e já consigo me movimentar.Tenho que ficar bem pra cuidar dela, né?

Beijos pra você.

E foi assim…

Acordei, etc. e tal, subi um post no blog, tuitei. vi os emails, mandei um email pro R7, caminhei por 15 minutos, fugi da chuva, vim pra casa e me arrumei. Ao meio dia em ponto o motorista estava na porta do meu prédio para me levar ao Guarujá. Peguei chuva, trânsito e, duas horas e meia depois, cheguei. Sem almoçar, sem beber água, sem fazer xixi, cheguei e fui para o evento. Sentei no palco, acompanhei a apresentação, o primeiro palestrante e, em seguida, assumi o posto. Dei minha palestra e, sem voltar à minha poltrona, saí pelos fundos.

Liguei para o motorista e, correndo, sem almoçar, sem beber água e sem fazer xixi, fui para o carro.

Entrei no carro às 16:10. Peguei trânsito, chuva e, não fosse pelo lanchinho Mirabel (ou equivalente, um mini pacotinho de wafers de morango) que o motorista Marcelo me deu, eu teria desmaiado de fome.

Cheguei em casa às 18:50h. Detalhe, 19:00 horas eu tinha que estar na sala de aula. Subi, engoli alguma coisa junto com a água, peguei as chaves e fui para a FAAP.

Às 19 horas em ponto eu estava na sala de aula. Dei aula até as 21:00 e, finalmente, vim pra casa, onde estou agora, semi inconsciente de tão cansada.

É, já não sou mais uma jovenzinha pra aguentar tanta agitação.

Mas, bravamente, com fibra de heroína, cumpri minha missão.

Olé. Touché.

Incêndio no Real Parque, SP


Minha amiga Mayran Crestani mandou a foto. Muito triste.
Um incêndio atinge desde hoje cedo a favela Real Parque, em São Paulo.

Leia no R7.