Fui.Voltei.E terei que voltar de novo.

Gabriel adormeceu, como era de se esperar de um menino febril. Voltei ao PS do Samaritano. O médico disse que eu tenho que voltar lá com ele. Não quis me dar o resultado do exame de sangue. Já viu.Amanhã, terei que ir lá, de novo.

Blog é diferente.

Há alguns meses, quando li no blog da Cora Rónai que um dos gatos dela estava doente, fiquei muito preocupada. Várias vezes durante o dia tive vontade de saber se ele estava melhor. Algumas semanas depois, numa Barnes and Nobles em Miami, vi uns livros lindos sobre gatos e tive vontade de comprá-los para presentear a Cora. Só depois me dei conta de que não a conheço pessoalmente, não tenho intimidade com ela e acho que ficaria meio gauche enviar, do nada, um presente para ela. Mesmo porque eu nem saberia para qual endereço. Talvez para a redação do jornal O Globo.

Fato é que, nunca me ocorreu mandar um presente para o Julio de Mesquita Neto ou para alguém da família Marinho. Blog é diferente. É Pessoal, é Pessoa Física e não jurídica. Blog é uma história contínua, obra aberta.

E na minha obra aberta, agora é hora de ir buscar os resultados dos examos. Vamos lá.

Blog é blog e mãe é mãe.

Torcendo pra não dar certo

Uma vez fui tomada de assalto (bonito isso) por uma reflexão: talvez eu não queira ser feliz. Talvez por isso tantas vezes, fiz de minha vida uma ópera italiana, um drama grego, um inferno de Dante. Talvez seja mais cômodo acostumar-se à infelicidade do que lutar para ser feliz de fato.

Talvez seja culpa da natureza, da Física que a descreve, já que a entropia prova que é mais natural que um perfume se evapore, que um colar de contas caia e que as gavetas de meias se desarrumem do que o movimento inverso (moléculas de perfume não volta para o frasco, contas não se unem espontaneamente para formar o colar e as meias não se organizam na gaveta por livre arbítrio)

Só sei que más notícias vendem mais, acidentes na estrada chamam mais atenção, e as fofocas movimentam milhões em mídia.

Assim, agora, quando vejo a manchete na capa do UOL “Dólar cai 3,1% e fecha vendido por R$ 3,755 “ fico feliz com o mercado e infeliz com os jornalistas, porque para dar um azedume a este pequeno retrocesso na má notícia, tinha que ter o comentário ” moeda subiu 24,75% no mês”. É quase como dizer: “você ganhou um cachorrinho de presente, mas não esqueça que ele vai morrer um dia, hein!.

Algumas pessoas, ou parcelas da população não tem vocação para a felicidade. Precisam alimentar-se da escuridão e da umidade, onde cresce o bolor, o fungo, o verme. E eu, aqui, leonina, partilhando com você, querido leitor, a beleza de ensolar o mundo…

Almoço e Culpa

Comi pizza na sexta á noite, sobra de pizza da sexta à noite no sábado e pizza ao vivo no Chat Show no domingo. Não tive coragem de subir na balança, tentar entrar na calça ou me olhar no espelho. Fui do chuveiro pra saia larga, passando pela toalha e perfumes.

Hoje, no almoço, comi uma leve saladinha e café com hipocrisil: fagocitei muitos pãezinhos de queijo com manteiga de entrada.

E assim, vamos, engordando, experimentando o sentimento de culpa e vendo os colegas de intelectualidade lentamente correndo pra academia, comprando lycra e tomando bomba.

Torcendo pra não dar certo

Uma vez fui tomada de assalto (bonito isso) por uma reflexão: talvez eu não queira ser feliz. Talvez por isso tantas vezes, fiz de minha vida uma ópera italiana, um drama grego, um inferno de Dante. Talvez seja mais cômodo acostumar-se à infelicidade do que lutar para ser feliz de fato.

Talvez seja culpa da natureza, da Física que a descreve, já que a entropia prova que é mais natural que um perfume se evapore, que um colar de contas caia e que as gavetas de meias se desarrumem do que o movimento inverso (moléculas de perfume não volta para o frasco, contas não se unem espontaneamente para formar o colar e as meias não se organizam na gaveta por livre arbítrio)

Só sei que más notícias vendem mais, acidentes na estrada chamam mais atenção, e as fofocas movimentam milhões em mídia.

Assim, agora, quando vejo a manchete na capa do UOL “Dólar cai 3,1% e fecha vendido por R$ 3,755 “ fico feliz com o mercado e infeliz com os jornalistas, porque para dar um azedume a este pequeno retrocesso na má notícia, tinha que ter o comentário ” moeda subiu 24,75% no mês”. É quase como dizer: “você ganhou um cachorrinho de presente, mas não esqueça que ele vai morrer um dia, hein!.

Algumas pessoas, ou parcelas da população não tem vocação para a felicidade. Precisam alimentar-se da escuridão e da umidade, onde cresce o bolor, o fungo, o verme. E eu, aqui, leonina, partilhando com você, querido leitor, a beleza de ensolar o mundo…